pg-nmga
Compartilhe

Sebrae/MT destaca o protagonismo feminino em projeto de etnoturismo na COP-28

Projeto "Etno & Eco Turismo Haliti-Parecis", originado de Campo Novo do Parecis, no interior mato-grossense, é um dos destaques da COP-28
PorRedação
pg-nmga
Compartilhe

A presença do Sebrae/MT na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28) foi marcada por uma apresentação impactante do projeto “Etno e Ecoturismo Haliti-Parecis”, em um contexto que ressaltou a temática da igualdade de gênero. A conferência, considerada a maior sobre o clima no mundo, está sendo realizada em Dubai, nos Emirados Árabes, até o dia 12 de dezembro.

Projeto criado pelo Sebrae/MT em parceria com a Prefeitura, o “Etno e Eco Turismo Haliti-Parecis”, originado em Campo Novo do Parecis (interior mato-grossense), é um dos destaques da COP-28, oferecendo alternativas e oportunidades notáveis na área de turismo sustentável.

Durante o painel “Empoderando Povos Indígenas: uma jornada através da igualdade de gênero e turismo sustentável”, no Espaço Igualdade, o diretor-técnico do Sebrae/MT, André Schelini, não apenas apresentou as oportunidades de avanços no desenvolvimento sustentável por meio do turismo étnico-cultural, mas também ressaltou uma contribuição significativa das mulheres nesse processo.

“As mulheres desempenham um papel vital no projeto de Etnoturismo, representando um índice significativo nas atividades desse setor. Composta por 32% das frentes de trabalho no atendimento ao turista e responsável por 62% da produção associada, que inclui fabricação e artesanato, elas são o pilar essencial na preservação da cultura e na manutenção do núcleo familiar”, destacou o diretor.

O material foi apresentado junto do programa “Ser Família”, do Governo do Estado de Mato Grosso, representado pela primeira-dama Virginia Mendes. Além dos projetos focados na comunidade indígena, a presença de aproximadamente 10 representantes dos povos originários no evento foi destacada como um marco significativo na COP-28, ressaltou o presidente do Sebrae, Décio Lima, enfatizando a relevância da representatividade dessas comunidades no contexto da conferência.

Ter a representatividade na COP 28 dos povos originários é chamar atenção para o tema da sustentabilidade. Não se faz sustentabilidade sem incluí-los. E o Sebrae em Mato Grosso está atuando de forma exemplar com ações que já estão trazendo resultados a esses povos, com o retorno da produtividade e sua inclusão na cadeia do turismo.

Décio Lima, presidente do Sebrae.

Mais de 1.200 famílias da comunidade indígena Haliti-Paresi são beneficiadas com o projeto que abrange oito aldeiais: Wazare, Salto da Mulher, Salto Belo, Utiariti, Quatro Cachoeiras, Ponte da Pedra, Rio Sacre e Chapada Azul, todas em uma região cortada por inúmeros leitos d’água e cachoeiras de tirar o fôlego.

De acordo com Schelini, o projeto é um exemplo de sustentabilidade para todos que buscam integrar o desenvolvimento à cultura regional. “O Sebrae vem fazendo a diferença na sustentabilidade, pois seguimos as diretrizes para o turismo sustentável”, destacou.

O Centro Sebrae de Sustentabilidade criou o Manual de diretrizes de “Normatização e Certificação de Turismo Sustentável”, que pode ser referência para o país.

Troca e oportunidades

O Sebrae Mato Grosso tem imergido nas ações da COP-28 que traz em seu lema a “união, ação e entrega” e tem promovido troca e oportunidades entre os presentes. No estande da parceira Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Sebrae/MT destacou, no primeiro dia, os projetos emblemáticos como o de Etno e ecoturismo, Pró-Pantanal e o Centro Sebrae de Sustentabilidade, os quais representam um compromisso estratégico na construção de um turismo consciente e na preservação de ecossistemas necessários.

Em uma rodada de bate-papo, no segundo dia, foi a vez de apresentar o projeto de consultoria ESG – Selo Tesouro Verde, que traz a possibilidade para o empresário adotar práticas de sustentabilidade e aderir aos quesitos ambiental, social e governança com a neutralização dos gases emitidos na atmosfera, por meio de um ativo ambiental de créditos de floresta, para a conservação de florestas nativas. Participaram da rodada a BMV (Brasil Mata Viva), Prefeitura de Maricá/RJ e Codemar.

No Hub Futuro da Mobilidade, o espaço do Sebrae promoveu um coquetel para reunir investidores, empresas e órgãos internacionais, proporcionando um momento denetworking e troca de ideias, com oportunidade inovadora para estabelecer conexões e apresentar as iniciativas do Sebrae.

Nesta terça-feira (5), o diretor técnico do Sebrae/MT participará de um painel juntamente com o Banco da Amazônia e Brasil Mata Viva sobre o uso do microcrédito como indutor da agenda de baixo carbono e a experiência do Sebrae/MT.

  • COP 28
  • CSS
  • inclusão
  • Meio ambiente
  • Mudanças climáticas
  • povos originários
  • Sustentabilidade